Sesg/SES reúne gestores de saúde na Oficina de Educação Permanente 

Durante o evento, também é lançado novo instrumento de divulgação da Superintendência da Escola de Saúde de Goiás

Gestores de saúde participam da Oficina de Educação Permanente, no auditório da Sesg/SES

A discussão da educação como prática transformadora e aprendizagem significativa como premissa da educação permanente. Foi nessa linha de pensamento que a Superintendência da Escola de Saúde de Goiás, por meio das Coordenações de Apoio Regional e Assessoramento Interinstitucional, realizou a Oficina de Educação Permanente nesta segunda-feira, 25/10. Na ocasião, a superintendente Viviane Leonel Cassimiro Meireles fez o lançamento do boletim informativo, novo instrumento de divulgação da Sesg.

Gestores de todas as regionais de saúde estiveram presentes na capacitação, que também contou com a participação da subsecretária de Saúde, Luciana Vieira Tavernard, e os superintendentes do Complexo Regulador em Saúde de Goiás, Neusilma Rodrigues; de Atenção Integral à Saúde, Sandro Rogério Batista; de Gestão Integrada, Mauro Theobald; e a representante do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde, Maria Ângela Leite Chaves.

Para a coordenadora de Educação Permanente em Saúde de Itapuranga, Aline Franciele Silva Santos, a oficina está sendo muito útil. “O método utilizado pelas organizadoras da capacitação é muito melhor do que só ouvir”, explica. O coordenador-geral da Regional Entorno Norte, Virgílio Galassa, também elogiou a forma como a oficina foi estruturada. “A dinâmica utilizada, que envolve a participação de todos aqui presentes, é muito boa”, afirma.

A enfermeira e coordenadora de Educação Permanente em Saúde de Itaberaí, Maria Arlete Carvalhães, ressaltou a importância de oficinas como essa. “É bom para trocar experiências com colegas de outros municípios, conhecer a realidade de outros lugares tirar dúvidas sobre alguns problemas que temos em nosso município”.

A superintendente da Escola de Saúde de Goiás destaca o caráter participativo da oficina como principal instrumento de aprendizado. “Simular o trabalho, colocando-o em cena para a formação, é essencial para produzir as estratégias de planejamento de ações corretivas. Colocar os profissionais de saúde na condição de atores ativos nas cenas favorece o sentimento de pertencimento ao grupo e move a responsabilização com a sua própria educação profissional. Assim, investir em educação permanente na saúde significa aproveitar ao máximo os benefícios e o potencial desta estratégia.”


Gabriela Dutra (texto e foto)/Superintendência da Escola de Saúde de Goiás

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.