“Hugo é a Rotam da saúde”, diz sargento atendido no hospital

Aroaldo Ribeiro Cardoso, que foi baleado em confronto com criminosos, retorna à unidade de saúde do Governo de Goiás, para agradecer profissionais que fizeram parte do tratamento: “estou vivo graças a Deus e vocês”

O Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (Hugo), unidade do Governo de Goiás, recebeu visitas na segunda-feira, 23. Acompanhado da tropa, o segundo sargento Aroaldo Ribeiro Cardoso, sentia que precisava agradecer. Ele estava a serviço pela Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), da Polícia Militar de Goiás, quando foi vítima de disparos de arma de fogo que atingiram a região do pescoço e em uma das pernas, no dia 12 de setembro.

“Eu, pessoalmente não tenho palavras para dizer o quanto sou grato a vocês por tudo o que me fizeram. Quando vi que estava aqui no Hugo, respirei aliviado. Se tem um pessoal que é especializado, assim como nossa tropa é, são vocês que trabalham aqui. Hoje podemos dizer que o Hugo é a Rotam da saúde em Goiás”, disse o sargento Cardoso, em frente de todos os colaboradores.

Ele fez questão de entregar uma camiseta da Rotam, com nome bordado a cada um dos colaboradores que trabalharam durante o tratamento. Comandante de Policiamento Urbano (CPU), que faz o trabalho de supervisão da tropa, o tenente Vorigues Messias de Castro Júnior relembrou de como foi o dia em que Cardoso deu entrada no hospital.

“Eu estava de folga, em casa. Mas nós nos conhecemos antes mesmo de entrarmos na Polícia Militar. Somos amigos de infância. Corri para o Hugo porque eu precisava saber como ele estava. Ficou para mim a missão de dizer à família como ele estava naquele momento. Aqui eu vi uma equipe inteira empenhada em dar celeridade ao tratamento e salvar o Cardoso. Deu conforto em saber que um irmão estava em boas mãos”, disse Vorigues.

Para a direção do Hugo, que recepcionou a tropa da Rotam, esse reconhecimento é fruto de um trabalho em equipe, que é desempenhado por profissionais técnicos e capacitados. “Estamos aqui todos os dias e vamos atender toda a população da mesma forma, com ampla destreza e capacitação técnica, mas sempre de forma humana, porque somos pessoas cuidando de outras pessoas”, disse a diretora-geral, Dulce Xavier.

O caso
O segundo sargento Aroaldo Ribeiro Cardoso estava em mais um dia de serviço, durante patrulhamento, na região do Residencial Itaipu, em Goiânia, no sábado, 12 de setembro. A equipe recebeu denúncia de que pessoas envolvidas em roubos estariam escondidas em um local e foram checar a veracidade. Ao chegar no ponto indicado, foram surpreendidos por disparos de armas de fogo.

Cardoso recebeu dois tiros, um no pescoço e outro na perna, mas o ferimento no pescoço exigia mais preocupação. Os colegas de farda não pensaram duas vezes e correram com ele para o pronto-socorro do Hugo. Cardoso precisou ser intubado logo que deu entrada no hospital. Ele passou por cirurgias e ficou em Unidade de Terapia Intensiva, com ventilação mecânica até ser transferido para um leito de Enfermaria. Após seis dias de internação, Cardoso recebeu alta hospitalar.

Jairo Menezes (texto e foto)/INTS

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.