Cardiologia do Hugol realiza mais um procedimento inédito

Unidade do Governo de Goiás fez um fechamento de fenestração por prótese em menina de 13 anos que nasceu com cardiopatia congênita complexa

O Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) realizou em agosto mais um procedimento de alta complexidade inédito na unidade do Governo de Goiás. Trata-se do fechamento de fenestração por prótese na paciente Maria Luiza, de 13 anos, que nasceu com uma cardiopatia congênita complexa, já tendo realizado três cirurgias ao longo da vida.

“Procedimentos dessa natureza são realizados em poucos hospitais no Brasil, e o Hugol é, atualmente, o único hospital do Centro-Oeste a realizar procedimentos dessa complexidade 100% SUS. O Hugol reúne todas as características tecnológicas e de recursos humanos para se tornar uma das referências nacionais no tratamento cardíaco adulto e pediátrico”, declarou Maurício Prudente, médico cardiologista na unidade.

A cardiologia do Hugol é composta pelo serviço de cardiologia clínica, serviço de hemodinâmica e o serviço de cirurgia cardíaca. Até junho de 2020, foram realizados 3.743 atendimentos cardiológicos na emergência, e o serviço de hemodinâmica, desde abril de 2018 até junho de 2020, já empreendeu 5.437 procedimentos. As cirurgias cardíacas adulto foram iniciadas em janeiro de 2020, totalizando até junho deste ano, 52 procedimentos. No total, foram 9.232 procedimentos desde a inauguração do hospital voltados à cardiologia.

A instituição iniciou o serviço de cirurgia cardíaca pediátrica em 11 de agosto, com o atendimento ambulatorial dos pacientes para a realização de triagem e exames iniciais, visando ao agendamento do procedimento cirúrgico, conforme disponibilidade de leito e condições clínicas das crianças atendidas. 

Semanalmente são ofertadas dez vagas para consultas ambulatoriais de cardiologia pediátrica e dez para realização de exame de ecodopplercardiografia pediátrico, ofertados por meio da Central de Regulação Municipal de Goiânia. Em setembro, o hospital finaliza a adequação da sua estrutura física para ativar leitos de UTIs específicos neonatais e pediátricos, que atenderão pacientes com esse perfil no pré e pós-operatório.

Maria Luiza pôde retornar para casa poucos dias após o bem-sucedido procedimento, e sua mãe, Vera Lúcia Ferreira, agradeceu a todos os envolvidos no tratamento de sua filha: “A Maria Luiza já passou por muitos procedimentos cirúrgicos e é uma criança que necessita de muitos cuidados, só tenho a agradecer a Deus e a todos do Hugol pelo excelente atendimento que ela recebeu”.

José Ferreira Neto (texto) e Edson Freitas (foto)/Agir