Médicos doam plasma convalescente, contra Covid-19, no Hemocentro de Goiânia

Curados da doença, profissionais de saúde passam a compor grupo de voluntários do projeto de pesquisa desenvolvido na unidade do Governo de Goiás

Pesquisa avalia eficácia de plasma convalescente com anticorpos neutralizantes contra o vírus

O Hemocentro Coordenador Estadual Prof. Nion Albernaz, unidade do Governo de Goiás, é a única unidade do Sistema Único de Saúde (SUS) a desenvolver projetos de pesquisa sobre o uso do plasma convalescente no tratamento de pessoas com Covid-19 em Goiás. Após aprovação da Comissão Nacional de Ética e Pesquisa (Conep), a coordenação do estudo, realizado sob orientação da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), tem buscado voluntários curados da Covid-19 e que estão aptos a doar o plasma convalescente para tratamento de quem ainda está lutando contra a doença. 

Nesta terça-feira, 4, às 14 horas, o médico Marcelo Rabahi, coordenador de Ensino e Pesquisa do Instituto de Desenvolvimento Tecnológico e Humano (Idtech), e que também está à frente do projeto de pesquisa do Hemocentro, deixa por alguns instantes o papel de médico para assumir o de doador. O pneumologista contraiu a Covid-19 e agora se junta ao grupo de voluntários que buscam dar condições a quem contraiu a doença de forma grave se curar.

Quem também já está curado e passa a integrar o time de voluntários da pesquisa do Hemocentro é o médico anestesista Luciano de Oliveira Bebs. Ele conta que teve a doença na forma moderada grave, mas que não chegou a ser hospitalizado. "Logo que entrei na fase da remissão dos sintomas, conversei com o Marcelo e me dispus a ir ao Hemocentro para participar da pesquisa, sei a importância da ciência nesse momento e quero poder ajudar", disse. Ele também fará sua primeira doação nesta terça-feira, às 16 horas.

140 parcipantes
Segundo Rabahi, o projeto de pesquisa prevê a participação de 140 pacientes, divididos em dois grupos, nos quais metade receberá o tratamento e a outra, não, para se verificar a real eficácia do tratamento. "Espera-se que, com a administração de plasma convalescente contendo anticorpos neutralizantes contra o vírus, haja uma recuperação mais rápida no estado clínico dos pacientes. No entanto, ainda é uma modalidade de tratamento que requer comprovação científica de sua real eficácia", afirma.

Os voluntários que já se curaram da Covid-19 e querem doar o plasma precisam atender aos seguintes critérios: ter idade entre 18 e 60 anos; peso igual ou acima de 60 kg – no caso do sexo feminino, é necessário que não tenha gestações prévias –; apresentar resultado de teste positivo para Covid-19 (com laudo) e estar sem sintomas há mais de 14 dias. 

Os interessados devem entrar em contato com o Hemocentro pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone (62) 3201-4101 ou 3201-4570. Rabahi explica que um único voluntário pode fazer até três doações com intervalos de 14 dias no Hemocentro.

 

Thalita Braga (texto e foto)/Idtech