links de interesse mapa do site webmail

  • A
  • C
  • E
  • G
  • I
  • K
  • M
  • O
  • Q
  • S
  • U
  • W
  • Y
  • B
  • D
  • F
  • H
  • J
  • L
  • N
  • P
  • R
  • T
  • V
  • X
  • Z

Doenas transmitidas por Alimentos

Imprimir

DESCRIÇÃO: Doenças transmitidas por alimentos, mais comumente conhecidas como DTAs, são causadas pela ingestão de alimentos ou bebidas contaminados. Existem mais de 250 tipos de DTAs e a maioria são infecções causadas por bactérias e suas toxinas, vírus e parasitas. Outras doenças são envenenamentos causados por toxinas naturais (cogumelos venenosos, toxinas de algas e peixes) ou por produtos químicos prejudiciais que contaminaram o alimento (chumbo, agrotóxicos).


SINTOMAS: Os mais comuns para as doenças transmitidas por alimentos são falta de apetite, náuseas, vômitos, diarreia, dores abdominais e febre. Podem ocorrer também afecções extra-intestinais em diferentes órgãos e sistemas como no fígado (hepatite A), terminações nervosas periféricas (botulismo), má formação congênita (toxoplasmose) dentre outros.


TRANSMISSÃO: As pessoas adoecem após ingerir água ou alimentos contaminados


TRATAMENTO: As doenças que causam diarreia e vômitos podem levar à desidratação, caso o paciente perca mais fluidos corporais e sais minerais (eletrólitos) do que a quantidade ingerida. A reposição destes fluidos e eletrólitos é extremamente importante para evitar a desidratação. Quando a diarreia é aguda, deve-se ingerir sal de reidratação oral, disponibilizado gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, ou outras soluções de reidratação oral. As bebidas esportivas não compensam corretamente as perdas de fluidos e eletrólitos e não devem ser utilizadas para tratamento de doença diarreica.


PREVENÇÃO: As recomendações que seguem são de aplicação geral, tanto para os alimentos comprados de vendedores de rua em postos fixos ou ambulantes, como também para os hotéis ou restaurantes: lavar as mãos regularmente; assegure-se que o alimento servido esteja bem cozido e quente (aproximadamente 60ºC); selecione alimentos frescos com boa aparência, e antes do consumo os mesmos devem ser lavados e desinfetados; não coma alimentos crus, com exceção das frutas e verduras que podem ser descascadas, cujas cascas estejam íntegras; para desinfecção, os alimentos crus como frutas, legumes e verduras devem ser mergulhados durante 30 minutos em uma solução preparada com 1 colher de sopa de hipoclorito de sódio a 2,5% para cada litro de água tratada; reaquecer bem os alimentos que tenham sido congelados ou refrigerados antes de consumi-los; comprar alimentos seguros verificando prazo de validade, acondicionamento e suas condições físicas (aparência, consistência, odor); consumir leite pasteurizado, esterilizado (UHT) ou fervido; evitar comidas vendidas por ambulantes.


LINKS DE PESQUISA:


Perfil de contaminação por Staphylococcus e suas enterotoxinas e monitorização das condições de higiene em uma linha de produção de queijo de coalho - http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782008000500037&lng=pt&nrm=iso
Intoxicação estafilocócica em restaurante institucional - http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782004000100049&lng=pt&nrm=iso


VÍDEOS:
Intoxicação alimentar é mais comum dentro de casa - http://www.youtube.com/watch?v=upwGM9zhqBc
Alerta para os riscos da intoxicação alimentar - http://www.youtube.com/watch?v=XcvsUjZO_to