Teclas de Atalho

[Alt] + [Shift] + 1em qualquer página do portal, leva diretamente ao começo do conteúdo principal da página.

[Alt] + [Shift] + 2em qualquer página do portal, leva diretamente ao início do menu principal.

[Alt] + [Shift] + 3em qualquer página do portal, leva diretamente ao rodapé da página.

[Alt] + [Shift] + cativa o contraste

[Alt] + [Shift] + aaumenta o tamanho da fonte

[Alt] + [Shift] + ddiminui o tamanho da fonte

[Alt] + [Shift] + rredefine o tamanho da fonte para padrão

Notícias

Frequência de animais peçonhentos aumenta no período chuvoso

O Disque Intoxicação da SES-GO repassa orientações sobre intoxicações, envenenamentos e acidentes com animais peçonhentos. Em casos de picadas, procurar o serviço de saúde mais próximo

É durante a temporada de chuva – período em que grande parte do Brasil se encontra atualmente – que se percebe com mais frequência a presença de animais peçonhentos em casas e apartamentos e, principalmente, em residências próximas a grandes áreas verdes.

Dados do Centro de Informações Toxicológicas da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (CIT/SES-GO) revelam que em 2018 foram registrados 6.979 acidentes por animais peçonhentos. Os escorpiões são responsáveis por 4.118 deste total de acidentes, o que representa 59% dos casos.

As serpentes representam 16% dos casos, as aranhas 9%, as abelhas 5%, e outros animais peçonhentos, 11%. Os números são parciais, pois como é início de ano ainda podem ocorrer alterações, correções e inclusões de novas notificações no banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN).

O processo de urbanização também estimula o aumento da exposição a estes animais. O escorpião, por exemplo, se alimenta de baratas e, portanto, sobrevive em ambientes urbanos com facilidade. Além disso, o depósito e acúmulo de lixo, entulhos e materiais de construção junto às habitações podem servir de abrigo para os animais peçonhentos.

A coordenadora do CIT/SES-GO, Dilza Diniz Dias, diz que a melhor forma de evitar acidentes é adotar medidas de prevenção. “Recomendo manter a casa e a área ao redor limpas, uma vez que o lixo e entulhos podem servir de abrigo para cobras e escorpiões. Se encontrar algum tipo de cobra ou escorpião, é preciso informar à secretaria de Saúde do município onde mora”, orienta.

Segundo Dilza, caso ocorra um acidente com escorpião ou cobra, o indicado é lavar o local da picada com água e sabão e levar a vítima imediatamente ao serviço de saúde mais próximo para que possa receber o tratamento em tempo.

E também é necessário entrar em contato com o Centro de Informações Toxicológicas da SES-GO, pelos telefones 0800 6464 350 ou 0800 722 6001. A ligação é gratuita e pode ser feita até por telefones celulares. No caso de serpentes, ela orienta cuidado redobrado para trabalhadores rurais e praticantes de ecoturismo.

O que fazer para controlar a ocorrência de escorpiões?

As medidas de controle e manejo populacional de escorpiões baseiam-se na retirada/coleta dos escorpiões e modificação das condições do ambiente, a fim de torná-lo desfavorável à ocorrência, permanência e proliferação destes animais.