Teclas de Atalho

[Alt] + [Shift] + 1em qualquer página do portal, leva diretamente ao começo do conteúdo principal da página.

[Alt] + [Shift] + 2em qualquer página do portal, leva diretamente ao início do menu principal.

[Alt] + [Shift] + 3em qualquer página do portal, leva diretamente ao rodapé da página.

[Alt] + [Shift] + cativa o contraste

[Alt] + [Shift] + aaumenta o tamanho da fonte

[Alt] + [Shift] + ddiminui o tamanho da fonte

[Alt] + [Shift] + rredefine o tamanho da fonte para padrão

Notícias

Big Data na Saúde Estadual é apresentado na Campus Party

Gerente do Conecta SUS, da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), vai explicar a tecnologia no contexto da saúde pública

O gerente do Centro de Informações Estratégicas em Saúde (Conecta SUS), Carlos Augusto Tibiriçá, é um dos palestrantes da Campus Party Goiás 2019. Com o tema “Big data em saúde: volume, variedade, velocidade e caos”, o gestor da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) explica amanhã, 7 de setembro, às 17h, os desafios de trabalhar o Big Data no contexto da saúde pública.

Tibiriçá explica que o SUS dispõe de diversos sistemas de informação que têm dificuldade de se comunicarem. “O sistema A não conversa com o B, e este cenário é um problema geral, porque não foram planejados para isso. Por isso, o objetivo de produzir ferramentas de gestão é conseguir consolidar essas informações dos diversos sistemas em um único ponto, facilitando assim a tomada de decisão do gestor”, comenta.

Na palestra, o gerente vai explicar o contexto geral do SUS, seus sistemas de informações, dificuldades de trabalhar para produzir e consolidar as bases de dados, transformando as informações em uma ferramenta de gestão. Sobre o Big Data, ele esclarece que é um universo imenso de informação, com variedade de dados chegando a todo momento, de diversas formas. “Como tratar isso, extraindo a informação de qualidade, é o grande desafio”, afirma Tibiriçá, que trabalha há nove anos na SES-GO.

Big Data 

O gerente deu exemplo de como trabalhar com o Big Data é complexo, citanto que somente no Sistema de Informação Ambulatorial (SIA), houve cerca de 3,9 bilhões de procedimentos executados pelo SUS em todo o País no último ano. São mais de 330 mil estabelecimentos de saúde inscritos no Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (Cnes) e, em cada unidade, existem inúmeros procedimentos. “Imagina que temos mais de 5.500 municípios e 26 Estados. Todos possuindo um sistema próprio o volume de informação se torna imenso, o que dificulta o controle e a qualidade da informação”, diz.

A SES-GO possui um cluster (arquitetura de sistema que une dois ou mais computadores) que começou a processar dados de diversos sistemas de informação, consolidando e usando outras ferramentas, como ciência de dados, para produzir painéis de indicadores.

O projeto-piloto de Big Data na SES-GO utilizou o sistema E-SUS da Atenção Básica. O gestor explica que existiam muitos dados que não eram informados pelos municípios – cerca de 2,5 milhões de cadastros de goianos na Atenção Primária, que realizam cerca de 20 milhões de registros de atendimento. O cluster da SES-GO está sendo usado nesse caso para produzir indicadores com essas informações. Os dados são públicos e estão inseridos em um painel disponibilizado no site da secretaria (www.saude.go.gov.br).

‘Case’ de sucesso

Tibiriçá citou uma ação de sucesso na saúde utilizando tecnologia da informação. É o caso de um robô virtual, que notifica secretários municipais de saúde, profissionais das regionais de saúde, Corpo de Bombeiros, entre outros, sobre o cenário da dengue em Goiás. Essa ferramenta possibilita o gestor a ter acesso, por meio de aplicativo, a dados estatísticos pela série histórica de dengue e alguns indicadores de município, como infestação predial, quantidade de casos da doença.

A ferramenta consolida informações de vários sistemas relacionados ao combate à dengue. É pró-ativo, porque manda informações para os gestores. O gerente deu exemplo do Boletim Semanal da Dengue, que encaminha o resumo aos profissionais e faz uma análise do que não é alto risco para a infestação de dengue, mas que está com tendência de alta. “Como resultado, é possível antecipar de duas a três semanas quando o município pode se transformar em alto risco”, garantiu.

A Campus Party é totalmente multidisciplinar, proporcionando desafios e atividades diariamente. Foca na tecnologia da informação, mas é um ambiente propício para a inovação, troca de conhecimento e até novos negócios. No Campus Party são oferecidas palestras, workshops, debates, oficinas, entre outros. O evento, que está no Brasil há 12 anos, será sediado em Goiânia dos dias 4 a 8, no Passeio das Águas Shopping.

Thiago Lagares (texto) e Erus Jhenner (fotos), da Comunicação Setorial