Teclas de Atalho

[Alt] + [Shift] + 1em qualquer página do portal, leva diretamente ao começo do conteúdo principal da página.

[Alt] + [Shift] + 2em qualquer página do portal, leva diretamente ao início do menu principal.

[Alt] + [Shift] + 3em qualquer página do portal, leva diretamente ao rodapé da página.

[Alt] + [Shift] + cativa o contraste

[Alt] + [Shift] + aaumenta o tamanho da fonte

[Alt] + [Shift] + ddiminui o tamanho da fonte

[Alt] + [Shift] + rredefine o tamanho da fonte para padrão

Gerência de Transplantes

Gerência

  • Gerente: Katiúscia Christiane Freitas


    (62) 3201-6720
  • Subcoordenação Administrativa:


    (62) 32016720/32016722
  • Coordenação de Gestão: Kelly Caetano de Alexandria


    (62) 32016720/32016722
  • Subcoordenação de Processos e Estatísticas em Transplantes


    (62) 32016720/32016722
  • Coordenação de Captação de Órgãos e Tecidos:


    (62) 32016720/32323276
  • Subcoordenação de Controle de OPO e CIHDOTT: Gabriela Carneiro de Brito


    32016720/32323276
  • Coordenação de Distribuição de Órgãos e Tecidos: Mariana Coelho Marques


    32016720/32016722
  • Subcoordenação de Acompanhamento de Pré e Pós Transplantes


    (62) 32016720/32016722
  • Coordenação de Eventos e Educação Continuada: Sandra da Silva Amorim de Oliveira


    (62) 32016720/32323274

Localização

Avenida Vereador José Monteiro, nº 1655, Setor Negrão de Lima / Goiânia – Goiás
Visualizar no mapa

Como posso ser atendido?

Saiba mais

A Central Estadual de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos de Goiás (CNCDO-GO) é a representação regional do Sistema Nacional de Transplantes (SNT), também formado pelo Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, Hospitais autorizados e pela rede de serviços auxiliares. Essas entidades formam a organização que gerencia executa a política de transplantes de órgãos e tecidos no Brasil.

 

Informações

    1. O que preciso fazer para ser doador de órgãos?
      Para ser doador, no Brasil, você não precisa deixar nada por escrito, em nenhum documento. Muitas pessoas acham que é preciso registrar a opção de doador de órgãos em qualquer documento pessoal, mas isso não é mais necessário. Basta você conversar com sua família sobre seu desejo de ser doador. A doação de órgãos só acontecerá após a autorização da família.
    2. Quais os tipos de doadores que existem?
      Doador vivo: qualquer pessoa saudável que concorde com a doação, desde que não prejudique sua própria saúde e seja compatível com a pessoa que vai receber o órgão. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea e parte do pulmão. Pela lei, parentes até quarto grau (pais, filhos, irmãos, avós, netos, tios e primos), além dos cônjuges, podem ser doadores em vida. Para os não parentes, somente com autorização judicial.
      Doador falecido: são pacientes com morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano graves ou AVC (derrame cerebral) extenso. Podem doar órgãos e tecidos, com autorização de parente até 2º grau, sendo grande o número de doadores em morte encefálica cujas doações não acontecem e, consequentemente, muitas pessoas deixam de ser contempladas com tão importante procedimento.
    3. Quais os órgãos e tecidos que podem ser obtidos de um doador falecido?
      Órgãos: coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino e rins.Tecidos: córneas, vasos sanguíneos, ossos, tendões, pele, medula óssea e válvulas cardíacas. Portanto, um único doador pode salvar ou melhorar muitas vidas. A retirada dos órgãos e tecidos se realiza em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia.
    4. Para quem vão os órgãos?
      Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em fila única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada Estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes. Quem irá recebê-los depende de diversos fatores, tais como compatibilidade, idade, doenças associadas, maior ou menor urgência, conforme avaliação da equipe cirúrgica e sempre com o conhecimento do receptor.
    5. Posso ter certeza do diagnóstico de morte encefálica?
      Sim. O diagnóstico de morte encefálica é regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina. Dois médicos de diferentes áreas examinam o paciente, sempre com a comprovação de um exame complementar, que é interpretado por um médico. Não existe dúvida quanto ao diagnóstico.
    6. Após a doação o corpo do doador fica deformado?
      Não. O processo de retirada dos órgãos é uma cirurgia como qualquer outra, restando apenas a incisão. O doador poderá ser velado normalmente.
    • Entenda como funciona o processo de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante
      Gerir Doação de ÓRgãos e Tecidos – Clique aqui
    • Demais Processos de Trabalho da CNCDO-GO
      Para conhecer os processos de trabalho da Central Estadual de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos de Goiás (CNCDO-GO), acesse a Cadeia de Valor da SES (clique aqui), dentro de “Coordenar o SUS e Realizar Ações e Serviços de Saúde em Goiás – Gerir Transplantes de Órgãos e Tecidos”.
    • Protocolos – Clique aqui

ESTATÍSTICA

Hospitais e Equipes de Transplantes

Credenciamento

Formulários para Equipes de Transplantes

Formulários para Comissões Intra-Hospitalares

Faturamento

ACESSO DO POTENCIAL RECEPTOR DE ÓRGÃOS OU TECIDOS AOS SERVIÇOS DE TRANSPLANTE

Legislação

Manuais dos Receptores de Órgãos/Tecido

Consulta Cadastro do Paciente

  • Para consultar sua situação cadastral como receptor de órgãos e tecidos para transplante, clique sobre o órgão ou tecido para qual está inscrito. Será solicitado o seu número de RGCT (Registro Geral da Central de Transplantes). Caso não o possua, solicite pelo e-mail: transplantesgo@saude.gov.br ou ligue para 3201-6720 / 3201-6722.

Educação Permanente

  • Qualificar profissionais da saúde  nas diversas etapas do processo de doação e transplante e informar a sociedade em geral como processo acontece.

    Eixos temáticos:

    • Entrevista familiar para doação de órgãos e tecidos para transplantes
    • Capacitação para diagnóstico de Morte Encefálica
    • Formação de coordenadores de CIHDOTT
    • Curso de Comunicação de más notícias
    • Educar para doar: Processo de doação de órgãos e tecidos para transplante
  • Campanha Nacional de Doação de Órgãos

    No mês de setembro, em todos os Estados brasileiros são intensificadas as campanhas, pois  no dia 27 de setembro é comemorado o Dia Nacional do Doador de Órgãos.

    Campanhas Mensais

    A Central de Transplantes do Estado de Goiás / Secretaria de Estado da Saúde tem como uma de suas principais ações levar adiante todos os dias, a divulgação dos diversos aspectos dos transplantes. Todas as conotações envolvidas, sejam elas humanas, sociais, éticas, legais e educacionais, dentre outras, são igualmente determinantes e concorrem para fazer com que a comunidade em geral cada vez mais seja esclarecida e orientada sobre o alcance que uma doação de órgãos ou tecidos tem na vida das pessoas que necessitam de um transplante. Mensalmente são realizadas campanhas de sensibilização à população em diversos locais (shoppings, praças, bosques e parques) através da distribuição de panfletos e orientação com relação à doação de órgãos e tecidos e transplantes.